sábado, novembro 27, 2021
InícioSegurosSeguros de saúde exigem consentimento do marido para inserção do DIU em...

Seguros de saúde exigem consentimento do marido para inserção do DIU em mulheres casadas

Nos últimos dias, a prelo divulgou notícia que traz a tona uma prática generalidade de algumas operadoras de planos de saúde em alguns estados, que estavam exigindo o consentimento do marido para autorizarem o procedimento de inserção de DIU (dispositivo intrauterino), justificando com a Lei que dispõe sobre o planejamento familiar. 

Ocorre que, a lei de planejamento familiar, estabelece que em situação de realização de laqueadura tubária ou vasectomia deve ser feita com o consentimento expresso do par, sendo necessário, os homens e mulheres capazes e maiores de 25 anos ou com pelo menos dois filhos vivos.

Portanto, a exigência da lei, não contempla métodos contraceptivos porquê o DIU, que é um contraceptivo no formato de “T” que é introduzido no útero da mulher através do pescoço do útero e que tem porquê principal objeto impedir a gravidez, mas também é utilizado no tratamento de doenças crônicas porquê a endometriose.

O contraceptivo DIU, possui, dois tipos, os não hormonais e os hormonais. Os não hormonais, são aqueles que possuem cobre ou cobre e prata em sua constituição, que são utilizados para a contracepção, e o hormonal, que além de ser utilizado para contracepção, também é usado no tratamento dos sintomas de doenças crônicas.

Ou seja, a mulher ter que pedir autorização para o marido, pode ser um uso indevido da lei, já que a lei diz, em caso de esterilização voluntária, que é preciso o consentimento do consorte. E o que não é o caso do DIU, que é um contraceptivo. E ainda viola a autonomia da mulher, que também pode diminuir a qualidade de vida de mulheres com doenças para as quais o DIU é uma escolha para tratamento de doenças crônicas, uma vez que os homens passam a participar da decisão.

Assim, a Filial Vernáculo de Saúde Suplementar (ANS) iniciou um processo para apurar a exigência dos planos de saúde para que mulheres apresentem um documento de consentimento dos maridos autorizando a inserção do dispositivo intrauterino (DIU). A ANS esclarece ainda que, “embora a operadora possa eventualmente solicitar informações adicionais sobre a requisito clínica da beneficiária, ela não pode negar cobertura em razão da escassez dessas informações complementares”. E os planos de saúde que se negarem a autorizar o procedimento podem ser multados.

Portanto, as mulheres lesadas pela exigência podem realizar uma reclamação junto à seguradora, ou seja, é necessário perguntar com ação na Justiça para fazer com que a seguradora cubra o procedimento.

Daiane Garcia, advogada membro da Percentagem de Direitos do Consumidor OAB Londrina

Porquê você avalia o teor que acabou ler?

LINKS PATROCINADOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

MAIS ACESSADOS

COMENTÁRIOS MAIS RECENTES